Páginas

domingo, 20 de julho de 2014

19 e 20/07/2014 - Audax 300 Km - Florianópolis - SC

Nesse fim de semana ocorreu mais uma etapa da série Audax desse ano. O evento teve largada em Florianópolis, passando por municípios do continente e retornando à ilha, totalizando assim pouco mais de 300 km. Durante a semana eu e o Flávio começamos a montar o cronograma para transporte, hotel, alimentação e etc. Então o Maneca e o Cabelo, que já concluíram a série esse ano, se ofereceram para nos dar apoio nesse desafio. Lembrando que o apoio só é permitido nos PC's. Deixei tudo pronto e ás 11:30 hs saímos de Joinville.


Partimos em clima de festa e tentando descansar um pouco pois a noite não teríamos esse privilégio.


Fomos direto para a loja Della Bikes pegar nossos kits e seguimos rumo ao hotel onde seriam passadas as últimas informações no congresso técnico. Nesse momento percebi que havia esquecido a manta térmica, um dos itens obrigatórios, mas quem tem equipe de apoio está sempre sossegado e claro que o Cabelo trouxe tudo o que era necessário caso a gente esquecesse de alguma coisa. Lá encontrei vários conhecidos de Joinville e de outras cidades.




Terminado o congresso técnico fomos descansar dentro do carro em frente a loja Della Bikes, local da largada, mas logo saímos para comer pizza.


Voltamos para o carro e o pessoal começou a chegar. Enquanto preparava a bike a noite ia ficando mais fria.

Daí é sacanagem.


A largada foi ás 22:00 hs de sábado e nossa primeira parada para controle seria em Itajaí.




Pedalamos pela ciclovia da beira mar norte, atravessamos a ponte e chegamos no continente. Como nenhum de nós conhecia muito bem essas ruas, fomos cautelosos e seguimos o pelotão. Chegando na BR-101 socamos a bota a procura de um pelotão que a gente conseguisse acompanhar. Em Governador Celso Ramos alcançamos um pelotão de uns 15 ciclistas, a gente pretendia seguir com eles mas uma forte dor de barriga começou a me incomodar. Falei com o Flávio para ele continuar pois eu precisaria fazer uma parada de emergência, mas ele me esperou. Por sorte não precisei correr para o mato e consegui me aliviar na PRF de Itapema.

A pele branca é por causa do frio rssss.
Depois disso meu pedal não rendeu mais e desse momento em diante o Flávio me puxou até o final da prova. Eu era no navegador e gritava as coordenadas pra ele que ia puxando. Além do frio e da dor de barriga, minha sapatilha me machucava. Chegamos em Itajaí ás 2:00 hs. O Maneca e o Cabelo já nos aguardavam ansiosos. Comi um pouco do risoto e uma tangerina. Não sentida os dedos dos pés e tive que trocar a sapatilha por um par de tênis, foi um alívio.

Fora do carro estava  5°C


Cabelo oferecendo um pouco de calor humano kkkkk
Saímos de Itajaí e a gente precisava voltar para a ilha, nosso próximo grande desafio era atravessar o Morro do Boi. Para isso não tivemos grandes dificuldades, mas logo em seguida tivemos que enfrentar o sono. Em Itapema paramos para comprar um energético o que deu um gás até no pedágio de Porto Belo onde novamente precisei sair correndo para o banheiro. Tomei uns três cafés 0800 e sentia muitas dores. Falei para o Flávio continuar sozinho que eu estava desistindo naquele momento. Descansei mais uns 15 minutos e me senti um pouco melhor. Decidi ir mais um pouco para ver até onde eu conseguia ir. O Maneca e o Cabelo estavam do lado de fora, nem nos falamos para não dar margem de segundas interpretações, já que ali não era um PC.

Foto: Manoel Acácio Behnke Júnior
Por algumas horas decidi não tomar água e fiquei só no café. Fizemos mais uma parada no Vitória Régia em Biguaçu e depois presenciamos um lindo amanhecer.


Chegamos no PC 2 em São José, nossa equipe de apoio já estava lá preparada. Entramos, compramos alguma coisa para comprovar nossa passagem por ali e continuamos nosso desafio.

Foto: Manoel Acácio Behnke Júnior

Apoio só no ice dog


Entramos novamente na ilha e nosso próximo destino era o PC 3 no Pântano Sul.




Foto: Flávio Ziehlsdorff


Pegamos um retão que não acabava mais, eu estava com muito sono, fiz uma rápida parada para comer uma barrinha de proteína que o Flávio ofereceu. Minhas forças estava esgotadas. Não muito longe dali estava o PC 3.


O Cabelo já vinha correndo para pegar a bike e colocar água na caramanhola, enquanto isso a gente carimbava o passaporte e se alimentava. Descansamos um pouco e pegamos no pé do Maneca que anda inaugurando estabelecimentos pela ilha sem nos comunicar rssss.





A parada foi boa, mas o sono continuava. Por duas vezes invadi a pista e resolvemos parar e eu dormi 10 minutos. Depois disso as forças voltaram e seguimos em uma corrida de recuperação sempre com o Flávio puxando.




A tocada estava boa quando de repente o Flávio dá uma guinada para a direita, sobe o meio fio, desvia de um carro estacionado e por pouco não cai. Foi a vez dele dormir na bike.


Logo depois de nos recuperarmos do susto furou o pneu traseiro da bike do Flávio. Assim que paramos um camarada desceu do carro e quase ia metendo a mão na bike para ajudar. "NÃO ENCOSTA EM NADA, NÃO PRECISAMOS DE AJUDA". Agradecemos e explicamos nossa condição por não aceitar a sua ajuda e ele foi embora muito decepcionado. Durante o trajeto passamos por ruas muito estreitas, subimos morros, descemos e enfrentamos o trânsito até chegar no último PC. Nesse PC nossas forças voltaram, faltavam menos de 30 km para completarmos o desafio e isso nos motivou. O Marcelo Rodrigo estava no mesmo ritmo e nas paradas dos PC's a gente contava o que havia acontecido em cada trecho.



Agora o fator psicológico não nos afetava mais. Pedalamos como se fosse a primeira hora de prova. Alguns morrinhos pelo caminho e logo a gente já avistava o Della Bikes. Fizemos a foto oficial na última passarela e seguimos sem saber ao certo qual seria nossa reação perante o desafio superado.


Depois de 16 horas e 37 minutos superamos o desafio. Fomos recebidos com uma salva de palmas e uma mesa de água e frutas.





Foto: Deivi Ivan Schiochet
Quero deixar meu agradecimento especial ao Maneca e Cabelo pelo apoio, ao Flávio pela companhia e por ter me puxado 98% da prova, a Rafaella e equipe Della Bikes pelo suporte pós prova e a todos os conhecidos que encontrei e troquei algumas palavras, tenho mais de 20 nomes para citar mas provavelmente vou esquecer de algum e apesar de todo o cansaço lembro de cada segundo desse desafio, até mesmo os que eu passei dormindo. O retorno também foi bem cansativo.





Nos vemos nos 400 km. Abraço.
Confira como foi a minha pedalada no Garmin:


domingo, 13 de julho de 2014

13/07/2014 - Pedal Treino - Garuva - SC

Nesse dia resolvi de última hora sair para girar um pouco. Precisava treinar um pouco pois o Audax 300 vem ai e não treinei para esse tipo de evento. Precisava ser uma coisa rápida pois já era 15:00 hs e eu ainda estava em casa. Então resolvi fazer um bate e volta até Garuva tentando manter uma média de 30 km/h.


Não havia muito movimento, acho porque era final da copa do mundo de futebol. O clima também contribuiu bastante, a temperatura estava agradável, sem sol, sem chuva e sem vento.



Passando pelo bairro Rio Bonito era possível ver algumas aberturas e uma paisagem muito bonita.


Como não tinha vento, eu continuava no pedal firme e forte, tentando não deixar a média cair muito durante as subidas. Mas estava difícil.


Nas descidas, nada de descanso, forçava até espanar o pedivela. Em 1:10 hs já estava no trevo de Garuva e por incrível que pareça cheguei com exatos 30,0 km/h. Descansei menos de 10 minutos e peguei a estrada novamente.



Novamente eu brigava contra o ciclocomputador, mas eu já estava bem desgastado. Chegando próximo a balança caíram alguns pingos e notei algumas nuvens mais escuras rondando o Monte Crista.



Mas na direção que eu ia não havia sinais de chuva.


Chegando no trevo de Pirabeiraba a noite chegou, notei que a média estava abaixo do meu objetivo e usei minhas últimas reservas para melhorar um pouco essa marca.


Terminei meu treino com 65 km, tempo total de 2:22:00 hs e média pedalada de 29,3 km/h. Foi o pedal do descarrego para renovar as energias. Segue abaixo o relatório do Garmin. Abraços.