Páginas

domingo, 29 de maio de 2016

29/05/2016 - Treino de Corrida no Piraí

Era tarde de domingo e o tempo estava bem nublado, praticamente chovendo. Para não ficar no sofá decidi fazer um treininho pela região do Piraí. Logo após o almoço comecei a preparar as coisas e antes das 14:00 hs saí de casa com alguns chuviscos. Primeiro fui pela rodovia do arroz.


Acessei a Estrada Anaburgo pela ponte antiga, logo depois entrei na Estrada Motucas e Estrada Piraí.



O movimento estava bem fraco na região. Com esse tempo só louco para sair de casa no domingo a tarde.


A cachorrada não perdoava e saíam correndo atrás de mim forçando o treinamento.


Estou usando um aparelho ortodôntico que também tem outras funções. Subi a serrinha Alpina, caminhei em alguns trechos da subida. Nesse momento a chuva ficou um pouco mais forte.


Logo depois vem a descida, um trecho até a Estrada Blumenau e mais um morrinho. Na verdade eu não via a hora de chegar em casa rssss. Passei pela antiga ponte coberta sobre o rio Piraí que agora está reformada, mas ainda sem cobertura.



Foi um alívio quando avistei minha casa. Já estou imaginando aquele banho quentinho e um café com bolo.


Depois do treino senti uma friagem e acho que é o início de um simples resfriado. Espero que não piore. Até a próxima. Abraços.

Confira minha corrida no Garmin:

Confira minha corrida no Strava:

quinta-feira, 26 de maio de 2016

26/05/2016 - Santuário Madre Paulina - Nova Trento - SC

Aproveitei o feriado para fazer um pedal um pouco mais longo do que o costume. A previsão de tempo era para chuva no final de semana, então queria compensar a distância em um único pedal. Seria a primeira vez que encararia um pedal acima dos 300 km com a speed, então achei melhor testar meu bagageiro que comprei em 2014 para fazer a série Audax. Na época o bagageiro chegou, mas a bike não ficou pronta. Imagino que seria muito desconfortável pedalar na speed de mochila. Na quinta feira acordei ás 4:00 hs e preparei as coisas. O tempo estava frio e com "cara" de chuva. Saí ás 5:00 hs e curti o quão bom o pedal fluía pelas beiradas da BR-101.


Em Araquari começou a garoar, mas no horizonte o tempo estava mais claro e não me preocupei com os leves chuviscos. Fiz uma parada na SOS da APLS (Auto Pista Litoral Sul) para tomar um café free e esquentar um pouco o peito.


O comportamento do bagageiro era razoável. Ele muda um pouco a pilotagem da bike. Alguns desvios e subidas de pista são atrasados pelo balanço da traseira da bike, com isso acertei algumas vezes os tachões da pista, mas não caí. Passando por Barra Velha o sol resolveu aparecer, mas muito tímido ainda.




Em Piçarras mais uma chuvinha de leve.


Em Penha o sol resolveu marcar presença definitiva.




Em Itajaí fiz a primeira parada para lanche, era 8:20 hs.


Hummm, pão com hambúrguer, ovo cozido e paçoquinha.


Chega de comilança, ora de atravessar os "arranhacéus" de Balneário Camboriú e ir para o primeiro grande desafio do dia.


De longe eu já avistava o Morro do Boi, claro que segui a lógica do caminho de melhor esforço e eu já imaginava a recompensa que viria depois.


Mas minha empolgação durou pouco e na primeira curva um arame já penetrou meu frágil pneu.


Com toda a minha euforia consegui fazer a troca bem rápido e continuar a subida.


Depois veio toda a emoção da descida e a autoridade de usar uma das pistas para descer a mais de 70 km/h deixa a gente com um pouquinho de superioridade perante aos carros por alguns segundos. Parei em um posto para calibrar o pneu trocado mas o compressor não tinha forças. Parei em outro posto e agora a calibragem foi perfeita.


Logo depois meu GPS deu sinais de pilhas fracas e as pilhas reservas que levei também estavam com pouca carga. Tive que parar mais uma vez para comprar pilhas e garantir a rota do meu passeio.


Com todos esses inconvenientes eu perdi muito tempo e nem parei em Tijucas, toquei direto para Nova Trento.





Senti na cara o tradicional vento contra, mas agora com a speed rendia melhor do que com a MTB.


Tive que fazer uma parada em São João Batista pois o ritmo estava muito puxado.




Cheguei em Nova Trento, mas para chegar no santuário tem que atravessar um trecho horrível de calçamento. Nesse momento o bagageiro incomodou um pouco pois o aperto é feito com blocagem rápida e ás vezes a alavanca não fica em uma posição favorável. Por eu não ter uma bolsa específica para o bagageiro a mesma não aguentou as amarras e acabou caindo.


Enfim os últimos 4 km até o santuário.


Cheguei lá ás 12:20 hs e já tinha um imenso tapete de serragem na rua e muita, muita gente.





Fiz do modo tradicional: algumas fotos e a subida pela escadaria com a bike nas costas. Claro que não faltaram os rumores: "ele veio benzer a bike" e "acho que tá pagando promessa".


Fui no banheiro, aproveitei para me lavar um pouco e entrar em contato com a minha esposa. O almoço também foi ali no gramadinho: pão, ovo e paçoca.



Haviam muitos ciclistas naquele dia e conversei com todos eles, a maioria de Brusque e Itajaí.



Passando um pouco das 13:00 hs iniciei meu retorno e comecei a preparar o psicológico para enfrentar as duas serrinhas que eu teria pela frente. Pelo menos hoje não estava tão quente como das outras vezes que vim.



Passei pelas serrinhas e depois o calçamento chato do interior de Brusque. Outra coisa chata é a muvuca do centro da cidade na rua da Havan e na Fip, é um campo de guerra, não há leis e sai em vantagem que faz mais cara feia para o outro rsss.


Depois disso, para ajudar, estão duplicando a BR-486, ou tentando. Com isso muitos trechos estão sem acostamento.


Não precisava falar porque fica até redundante, mas atravessei essa rodovia toda com vento contra (pra variar).


Cheguei na BR-101 ainda com o sol na cabeça. Fiz mais uma paradinha para tocar direto até no Posto Sinuelo.


Em Navegantes um forte vento contra tento me intimidar mas durou por poucos quilômetros e logo o pedal voltou a render como de costume.


Cheguei no Sinuelo ás 17:40 hs, já estava escuro, comprei algumas coisas no supermercado e coloquei roupas quentes, estava frio para pedalar.


Era 18:10 hs quando saí para enfrentar meus últimos 40 km até em casa. Aqui o ritmo fluía bem.


Ao chegar em Joinville acessei a ciclovia do bairro Vila Nova e estando praticamente em casa joguei no volantinho e pretendia ir só no giro até em casa. Faltando uns 4 km para chegar em casa, fui passar por uma pequena ponte para dar espaço para outro ciclista e a roda entrou em uma fenda. A roda trancou e quase me empacotei, fiquei sentado no quadro da bike. Depois de ver se não tinha perdido nada, o resultado foi a câmara nova cortada em dois lugares.


Não foi uma boa coisa para fechar a pedalada, mas dos males o menor. Troquei a câmara e fui para casa.


Cheguei em casa ás 20:10 hs com 320 km para a conta. Assim foi um dia de testes, superação e aprendizado sobre duas rodas. Abraços e até a próxima.

Confira minha pedalada no Garmin:

Confira minha pedalada no Strava: