Páginas

domingo, 1 de dezembro de 2013

01/12/2013 - 7º Desafio Márcio May

Pela segunda vez me inscrevi para esse evento de ciclismo em Rio do Sul - SC. No sábado eu e minha esposa partimos cedo, chegando na cidade ainda deu tempo para visitar alguns pontos turísticos.




Depois fomos retirar o kit atleta e visitar as lojas dos patrocinadores.


Já no hotel fomos descansar um pouco e comer uma massa mais tarde.



As 6:30 hs de domingo, já estávamos tomando o café da manhã, colocamos a bike no carro e partimos rumo ao local da prova. Fui dar uma conferida na calibragem do pneu antes de ir para o local de largada e ao puxar a bomba o bico da câmara veio junto e o pneu esvaziou em segundos. Tive que fazer uma troca rápida e colocar a única câmara reserva que trouxe (ligeiro).



Pronto, agora é só chegar no local e já achar um lugarzinho no meio da galera.


A turma foi juntando, 1035 atletas estavam inscritos para essa prova, eu procurava o Maneca e o Deivi até que olhei para trás e achei eles juntamente com o Pelinha.


Estavam com um uniforme diferente. A Talita logo me achou e me ofereceu uma camisa também. Tentei trocar a camisa ali mesmo, tirei o número e minhas bugigangas dos bolsos. Foi quando anunciaram dois minutos para a largada e então agradeci mas abandonei tudo e coloquei o número novamente na camisa que eu estava, aliás a única que eu tenho com a marca do meu patrocinador Mel Sol. Foi dada a largada do ciclismo e alguns minutos depois foi a vez da nossa categoria.


Durante 20 e poucos quilômetros a largada é neutralizada, ou seja, não é permitido ultrapassar os batedores. Mesmo assim acontecem muitos esbarrões, batidas e tombos. O Cabelo estava mais á frente, eu e o Maneca mais atrás, no mesmo embalo.

Foto: TrilhasBR
Depois de um tombo próximo a uma ponte, desviei e perdi o contato com o Maneca. Logo começaram as subidas e passei pelo Cabelo.

Foto: TrilhasBR
Foto: TrilhasBR
Começou uma garoa e a pista ficou escorregadia. Presenciei dois tombos feios na mesma curva, fiquei com medo. Fiz o retorno e comecei a descida, desci no meu limite mas com cautela. O velocímetro registrou máxima de 82 km/h. Logo encontrei dois ciclistas e fomos nos agrupando e catando mais um ou dois pelo caminho. O pelotão tinha atitude e o revezamento do vácuo era constante.

Foto: TrilhasBR
Foto: TrilhasBR
Nos últimos quilômetros puxei o pelotão por um tempo, foi quando houve uma confusão devido ao trânsito de veículos parados na rua. Logo o pelotão se agrupou de novo e quando percebi tinha uns vinte atletas para o sprint. Não me dei bem nesse final, ficando entre os últimos do pelotão.

Foto: TrilhasBR
Foto: TrilhasBR


Em relação ao ano passado fui um minuto mais lento, completando a prova com 1:58:36 hs, na minha categoria melhorei três posições ficando em 17º e na classificação geral não mudou nada e fiquei em 88º.


Mesmo assim não fiquei desapontado, claro que tenho que melhorar muito se pretendo ser mais competitivo, mas tenho certeza que fiz o melhor que pude. Peguei minha medalha de participação e depois algumas frutas.



Logo chegaram o Maneca e o Cabelo e continuamos a festa.


Encontrei também o Eleonésio que escreve o blog Crazy Biker e até então conhecia somente através das redes sociais e hoje nos cumprimentamos e fizemos uma apresentação mais formal.


Encontrei vários amigos, conhecidos e também atletas profissionais. Acho chato esse negócio de "sou amigo de "Face" mas se encontro faço de conta de não vejo".

Gilson R. Kassulke: alguns Audax 1000 na bagagem.
Tânia: Pentacampeã do Desafio Márcio May
Márcio May: sem comentários
Foto: TrilhasBR
Depois vesti minha camisa nova (e seca) da Physical Woman, Cláudia Rossini e Pedal do Cabelo. Muito obrigado.


Já que não conseguimos ganhar as bikes no pódio o jeito foi aguardar a premiação e depois o sorteio.


Como somos rapazes de muita sorte, novamente não ganhamos as bikes, mas ganhamos um dia diferente de muita adrenalina, emoção e de cultivar amizades. Assim é o ciclismo. No ano que vem estarei aqui de novo, se Deus quiser.