Páginas

domingo, 18 de março de 2012

17/03/2012 - Pedal Rio do Júlio com a galera

Nesse dia, marcamos de descer a estrada Rio do Júlio com destino a Schroeder. Convidamos o maior número de pessoas que conhecíamos e a proposta era sair do início da estrada ás 9:00 hs. Alguns foram pedalando o trajeto todo, outros preferiram não arriscar e subir a serra de carro.
O importante é que no horário combinado todos estavam lá, independente de como tinham chegado. Me surpreendi pelo grande número de pessoas que resolveram fazer essa pedalada. Abaixo os ciclistas: Carlos, Samuel, Adenízio, Mário, Marcelo, Jeferson (eu), Fábio, Fernando, Aguinaldo, Moisés, Marcos, Rosa e Natan.
Começamos a pedalar e muitos achavam que a estrada era só descida. Grande engano, logo no início tem duas subidas moderadas, mas o Fábio já estava com a língua de fora.
Logo as belezas naturais começaram a aparecer, só faltaram as hortências estarem floridas para ficar ainda mais bonito.

Havia uma pequena comunidade no local e no alto de um morro uma igreja, subimos até lá para mais fotos.
Essa foto sim mostra todo o pessoal que foi e acompanhou essa aventura. A Silvana e a Amanda foram no carro de apoio. Da esquerda para direita, em pé: Adenízio, Fábio, eu, Carlos, Aguinaldo, Natan, Marcos e Mário. Agachados: Silvana, Fernando, Marcelo, Samuel, Amanda, Rosa e Moisés.
Após algumas subidas e descidas, chegamos na represa.
Nesse momento furou o pneu da bike do Fernando.
Pneu consertado vamos seguir caminho.
Logo a frente mais um pneu furado, agora da bike do Natan.
Um pouco mais para frente encontramos alguns jovens acampando por aquelas bandas. Pediram ajuda para fazer o Fusca pegar pois já estava sem bateria. Perguntamos se eles tinham alguma coisa para beber. "Tem catuaba", foi a resposta.
A boa ação do dia foi feita, temos que continuar pois o caminho até em casa é longo. Passamos pelo Hotel Vale das Hortências e enfrentamos os últimos quatro quilômetros de subida até Schroeder.
Daqui até Schroeder são onze quilômetros de descida, haja freio.




Continuamos a descida e chegamos na zona rural de Schroeder.
Ficamos esperando o Mário e o Aguinaldo que estavam demorando para chegar. Eu e o Fábio voltamos para verificar o que aconteceu e encontramos o Mário com o pneu da bike furado.
Procuramos um lugar para almoçar e encontramos um restaurante na beira de um rio, é aqui mesmo.
Digestão feita tem mais uma serra para subir, a temida Duas Mamas.

Depois de descer as Duas Mamas, nos reunimos na rodovia do arroz e cada um foi para sua casa. Ficamos o dia todo pedalando, mas a companhia dos colegas e os lugares que conhecemos faz com que o cansaço e a dor fiquem menores que a alegria por ter participado de mais um passeio sobre duas rodas.